Sunday, July 24, 2016

Triste fim





Era tarde sim.Todos estavam famintos.Portas bem fechadas.Como festa acabada.Jogo de azar.Vida sem sentido.Lágrimas em vão.Desabrigados do amor.
Recordo apenas isso.Nossos estômagos roncavam.E ninguém percebia.Pobres solitários noturnos.
Conheciam nossos vícios.Desconheciam nossos tombos.Equilibristas da vida.Mutilados da sorte. Atordoados pela fome.Barrados nos bailes.Estranhos no ninho.Avessos ao mundo.
Despedidos da vida.Sem outra saída.Cambaleamos nos becos.Fugimos da vida.De forma emergencial.
Triste fim.

2 comments:

PAULO TAMBURRO. said...


LIA,

foi um triste fim na narrativa e uma belíssima demostração de sua concisão, objetividade, lógica de raciocínio e competência literária.

É muito difícil ser efetivo nestes pequenos e rápidos textos e você é.

Aprendo com você , pois nunca tive o tempo da concisão e objetividade.

Como bom filho de italiano vou escrevendo,escrevendo, escrevendo ...

A prova disto é a extensão deste meu comentário. Sou assim mesmo!

Um abração carioca.

Marina Fligueira said...

Hola Lia. Todos estamos aprendiendo cada día y hasta el final de nuestros días, pero eso es lo menos puesto que la perfección no existe, por lo tanto escribimos lo que nos sale del corazón, sea bello o no tanto. Adelante y sigue a donde el corazón te lleve.

Un abrazo y mi gratitud.