Monday, August 17, 2015

Fim de festa



Na mesma rua todas as noites aquele olhar felino a seguia.
Uma sombra de dúvidas povoava sua mente.Seria de carinho ou desprezo aquele olhar?
Um misto de paz e amargura tomava conta de seu peito quando passava por ele.Sempre tentando não encará-lo.Mas uma espécie de ímã a levava a encontrar o seu olhar.Nuvens percorriam o céu prenunciando um terrível temporal.Era uma noite especial para todas as famílias da aldeia.Noite de festejos e encantos.E aquela mulher solitária perdeu-se da sua família há bem mais de trinta anos.O Natal era a noite mais difícil de todo o ano.Ela fechou os olhos a imaginar que aquele felino seria o único a compartilhar da sua solidão.Choveu bem antes nos seus olhos.E resolveu atravessar a rua pela última vez.

11 comments:

O Árabe said...

Soturno e inquietante, talvez, Lia. Mas muito bem contado, e nos passa fortes imagens. Muito bom, boa semana!

Tamiris Mend. said...

Um conto comovente.
Também chove sob meus olhos, mas ainda espero pelo sol a me iluminar.

Pedro Luso said...

Olá, Lia.
Quantas vezes vemos alguém sofrer, e por sermos estranhos a essa pessoa, retiramo-nos sem dar nossa ajuda, que, às vezes, por salvar sua vida.
Uma boa semana.
Abraços.

Franciel Marçal said...

Posso fazer uma pequenina correção?

Uma sombra de dúvidas povoava* sua mente.

*no texto está no plural, "povoavam".

Agostinho said...

Bonito trecho. E o olhar felino?

Toninho said...

Uma bela construção sobre a solidão.
Bonito Lia.
Abraços e beijo paz amiga.

POESIAS SENSUAIS E CONTOS said...

Belas expressões os seus escritos.Parabéns

Anjopoesia Anp said...

Amei o espaço, parabéns

Marina Fligueira said...

Un estupendo relato y la fotografía fantástica. Me ha encantado.

Ten un bonito día, te dejo mi estima y gratitud.
Se muy feliz.

José Ramón said...

Siempre es un placer pasar por su blog Saludos

Álvaro José Silva said...

Estou gostando, Lia. Vamos falar mais sobre seu blog.