Saturday, April 24, 2010

Apego

Jogava fora a metade dos guardados e a outra metade guardava novamente.Essa arrumação era interminável.
Por que não conseguia desfazer-se de alguém que a magoava tanto? Talvez conservava ainda o gosto delicioso de quando acreditava de olhos fechados .Parece prisão sem porta,cadeado largado em cima da mesa,mas o medo de libertar-se era tão real.Dóia como a agonia precedente ao ato insano.Marcas,cicatrizes,zelos do passado que insistem em ficar.Permacer seria então para ela uma espécie de limite indevido,ou ausência dele.Estabeleceu-se naquele relacionamento uma comunhão carnal que não dava-lhe mais prazer.Uma insinuante coragem aproxima-se de quando em vez dela.Feito estranha madrasta com o remédio amargo.Não queria tomar,mas precisava.Qual seria a dosagem? Homeopaticamente não resolveria.Teria que ser de uma só tacada.